Site de A a Z ///
Siga-nos:
 

▶ Divulgação ///

14/08/2019 às 17h09 > atualizado em 14/08/2019 às 17h36

Reabertura da Estrada do Colono será tema de audiências públicas nas regiões Oeste e Sudoeste

Por Trajano Budola

Duas audiências públicas promovidas pela Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vão movimentar as regiões Sudoeste e Oeste nesta quinta-feira (15) e sexta-feira (16). A pauta é o debate sobre a possibilidade de reabertura da Estrada do Colono, um trecho que corta o Parque Nacional do Iguaçu em 17 quilômetros e liga as duas regiões do estado. Capanema e Medianeira vão sediar os encontros organizados pela Frente Parlamentar pela Reabertura da Estrada-Parque Caminho do Colono, liderada pelo deputado Nelson Luersen (PDT). Em Capanema o evento acontecerá em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania, presidida pelo deputado Tadeu Veneri (PT) e representada no ato pelo deputado Anibelli Neto (MDB).

Nelson Luersen afirmou durante a sessão plenária da terça-feira (13) que a reabertura do caminho é reivindicação de lideranças dos municípios que costeiam o parque nas duas regiões. Ele explicou que a programação contará com uma visita às margens do Rio Iguaçu, no Porto Moisés Lupion, em Capanema, de onde partia a balsa até a estrada. “Na sexta-feira sairemos de Capanema e passaremos por dentro da Argentina, pelo parque nacional, que tem uma estrada-parque”, afirmou, em referência à rodovia que atravessa o departamento de Misiones pelo Parque Nacional do Iguazu, reserva ambiental da floresta atlântica.

“Projetos da estrada-parque estão tramitando em Brasília. Tenho conversado com deputados federais que trabalham pela ida da discussão ao plenário. A população quer a reabertura da Estrada do Colono, mas, acima de tudo, a preservação do meio ambiente, conciliando o crescimento e o desenvolvimento econômico ao respeito à flora e à fauna”, afirmou Luersen, fazendo alusão aos projetos de leis do deputado federal Vermelho (PSD), na Câmara Federal (nº 984/2019); e do senador Álvaro Dias (PODE), no Senado (nº 61/2013), originalmente apresentado pelo ex-deputado Assis do Couto.

De acordo com o deputado Anibelli Neto (MDB) que, além de fazer parte da frente parlamentar, representará a Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania na audiência pública em Capanema, os encontros têm por objetivo ouvir os argumentos das lideranças regionais favoráveis à reabertura da estrada e também os movimentos de defesa do meio ambiente, contrários a ela. “Precisamos conhecer os prós e contras e temos a convicção de que isto acontecerá. A proposta da estrada-parque será apresentada, inclusive com exemplos de outras experiências que funcionam em reservas ambientais em outros países. Queremos dar a oportunidade para que todos expressem suas opiniões”, frisou.

Para o presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSDB), que integra a Frente, o fechamento da Estrada do Colono, em 1986, tem gerado discussões recorrentes acerca do ato determinado pela Justiça. “Em minha visão é uma afronta à região, um contrassenso. Na divisa com o parque brasileiro temos uma estrada que corta o parque nacional na Argentina. O que se prevê é um projeto de convivência entre o homem e a natureza, o que poderia ter grande potencial turístico para a região, gerando receitas para o estado sem afetar o meio ambiente”, explicou o parlamentar com base eleitoral na região Sudoeste.

Horários – A audiência pública da Frente Parlamentar pela Reabertura da Estrada-Parque Caminho do Colono, em conjunto com a Comissão de Direitos Humanos e da Cidadania, está programada para acontecer no município de Capanema, na quinta-feira (15), às 19hs, no Parque de Exposições – Centro de Eventos Martinho Lutero. A audiência pública em Medianeira, na sexta-feira (16), tem previsão de início às 19hs, no auditório da Prefeitura de Medianeira.

História – A rodovia PR-495 pertence ao Governo do Paraná e corta, em 17,6 quilômetros, o Parque Nacional do Iguaçu entre os municípios de Capanema e Serranópolis do Iguaçu. Ela é uma antiga ligação entre as regiões Oeste e Sudoeste paranaenses. O trecho, um antigo caminho utilizado por colonos que vinham do Rio Grande do Sul em direção às regiões mais ao norte do país, foi transformado em estrada no ano de 1950. A via está fechada por ordem judicial desde 1986.