Site de A a Z ///
Siga-nos:
 

▶ Divulgação ///

<< Voltar ///

17/07/2019 - 15h48

Paraná e Angola podem se tornar parceiros na área ambiental

Por Cláudia Ribeiro

O descarte correto do lixo reciclável e o  processamento de resíduos sólidos foram algumas das preocupações demonstradas   durante um encontro, na manhã desta quarta-feira (17),  entre o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Ademar Traiano (PSDB) e autoridades ambientais de Angola, no Gabinete da Presidência. Para Traiano, um dos grandes problemas que a sociedade enfrenta na atualidade é justamente essa questão e, por isso, ele avalia como positiva a troca de informações com os africanos.

(Sonora)

 Os presidentes das Comissões de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais, Goura (PDT) e de Direitos Humanos, Tadeu Veneri (PT), também participaram e decidiram em conjunto com Traiano, que vão fazer a intermediação dessa troca de experiências entre Brasil e Angola incluindo ainda os representantes da Comissão de Indústria, Comércio, Emprego e Renda. Goura acredita que será preciso elaborar um material com as principais políticas públicas na área de descarte de resíduos praticadas no Paraná e enviá-lo às autoridades ambientais angolanas. Ele ressalta que também pretende conhecer o trabalho desenvolvido no país africano.

(Sonora) 

Os angolanos que participaram da reunião são o presidente da Agência Nacional de Resíduos, Monteiro Gomes Lumbo; o diretor do Ministério do Ambiente de Angola, Eduardo Martins Andrade Baptista e o presidente do Instituto Gt3, Maurício Barcellos Degelmann. Eles conversaram sobre ações realizadas pelo Paraná na área de descarte de resíduos sólidos e também sobre as demandas ambientais do país africano.

Ainda no encontro foi debatida a possibilidade de ser enviada à Angola uma comitiva composta por parlamentares, membros do Poder Executivo e empresários da área de descarte e processamento de resíduos sólidos. Monteiro Gomes Lumbo diz que espera que este seja apenas o primeiro passo nessa parceria. Ele conta que a delegação está no Brasil justamente para uma missão de reconhecimento para possíveis parcerias nas áreas educacional e tecnológica com órgãos públicos e empresas especializadas em soluções ambientais.

(sonora)

Antes de visitar a Assembleia, a comitiva angolana teve reuniões com empresas especializadas em tecnologias ambientais. Ela também passou pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Paraná.