Assembleia incentiva turismo ecológico com foco no cicloturismo Além da lei 20.354/2020 que promove o uso de bicicleta em atividades turísticas, 10 circuitos foram criados em diversas regiões do Paraná.

30/12/2021 10h06 | por Diretoria de Comunicação
Além da lei 20.354/2020 que promove o uso de bicicleta em atividades turísticas, 10 circuitos foram criados em diversas regiões do Paraná.

Além da lei 20.354/2020 que promove o uso de bicicleta em atividades turísticas, 10 circuitos foram criados em diversas regiões do Paraná.Créditos: Schutterstock

Além da lei 20.354/2020 que promove o uso de bicicleta em atividades turísticas, 10 circuitos foram criados em diversas regiões do Paraná.

Mesclar bicicleta com as estradas tranquilas de pequenos municípios, vilarejos, belas paisagens e até com a culinária local tem tudo para dar certo. Diversas regiões do Paraná contam com projetos de rotas e circuitos específicos para o cicloturismo a partir de leis aprovadas na Assembleia Legislativa nos últimos dois anos. E com regras específicas para definir os limites, a sinalização, mapear e divulgar os atrativos e produtos turísticos nas regiões e dar assistência aos frequentadores. As cidades podem fazer parcerias entre elas e com a iniciativa privada para administrar e manter a gestão dos circuitos, mas devem estar atentas ao traçado para que sejam consideradas as bacias hidrográficas, o relevo e a formação histórica, cultural e social de cada região, de preferência, em estradas e vias secundárias ou com pouco movimento de veículos.

Ao mesmo tempo em que a lei 20.354/2020 veio para incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte para percorrer as trilhas, serve como forma de estímulo para o turismo ecológico, o desenvolvimento de negócios locais, como restaurantes, hotéis e pousadas, movimentando toda a economia regional.

Os circuitos cicloturísticos têm potencial para fazer do Paraná referência em mobilidade, que, aliás, é um dos pilares do segmento, que ainda tem como objetivo aliar a prática esportiva à oportunidade de conhecer estado.

“Com a implantação de circuitos cicloturísticos, a cooperação entre Estado e municípios será fortalecida. O Estado definirá o circuito e a sinalização adequada e os municípios, além da efetivação da rota e assistência aos ciclistas, vão disponibilizar uma estrutura cicloviária para uso diário dos moradores”, disse o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) autor de diversos projetos que incentivam o cicloturismo e o turismo regional no estado.

“O cicloturismo é uma modalidade de turismo ecológica em que se utiliza a bicicleta não somente como meio de transporte, mas como uma parceira de viagem. O cicloturista diferencia-se do turista comum, pois seu objetivo não é simplesmente chegar ao destino final, mas aproveitar o caminho que geralmente consiste em estradas rurais e secundárias recheadas de atrativos naturais e culturais”, disse o deputado Goura (PDT), autor de diversos projetos de criação de circuitos cicloturísticos pelo estado.

Os circuitos e rotas paranaenses

O mais recente projeto aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná é o que cria o circuito Turístico Rota Vale do Ivaí. O objetivo é incentivar o uso da bicicleta e o turismo ecológico, além da valorização da cultura da região, que abrange os municípios de Borrazópolis, Cruzmaltina, Grandes Rios, Rio Branco do Ivaí, Rosário do Ivaí, Faxinal, Jardim Alegre, Lidianópolis, Ortigueira e Mauá da Serra.

Circuito Cicloturístico Quilombos da Ribeira e Parque das Lauráceas.

Aprovado em outubro de 2021, o circuito tem entre os principais objetivos a valorização da cultura, em especial a de matriz africana, e dos atrativos turísticos dos municípios paranaenses localizados no Vale do Ribeira. Também melhorar a saúde e o bem-estar dos frequentadores por meio do lazer e da atividade física e a promoção da mobilidade e da acessibilidade. Fazem parte da rota, os municípios de Adrianópolis, Tunas do Paraná e Bocaiúva do Sul, assim como as seguintes regiões: Quilombo Córrego do Franco; Quilombo João Surá; Quilombo do Marumbi; Quilombo São João; e Parque das Lauráceas. Ou seja, o visitante vai percorrer trilhas que vão levá-lo a conhecer de perto um pouco mais sobre a cultura quilombola.

Circuito Cicloturístico Rota Oeste

A rota será integrada por trechos e trilhas que englobam as microrregiões de Toledo, Cascavel e de Foz do Iguaçu, como forma de movimentar a economia do Oeste do estado.

Circuito Cicloturístico Rota Norte Pé Vermelho

Jataizinho, Ibiporã, Londrina, Cambé, Rolândia, Arapongas, Tamarana e Marilândia do Sul foram os primeiros municípios a integrar o circuito que, em seguida, incorporou as cidades de Apucarana, Califórnia e Cambira. Entre os atrativos cicloturísticos destas cidades estão, por exemplo, em Apucarana, a área rural Correia de Freitas, bairro rural Pinhalzinho, distrito de Vila Reis, distrito de Pirapó, Serra de Apucarana e comunidade de São Domingos. Em Califórnia, o destaque é o bairro Figueirinha e a estrada Jacucaca; e em Cambira, a estrada da Jangadinha.

Os caminhos são as zonas rurais das cidades, onde o cicloturista se depara com belas paisagens, cachoeiras, plantações, montanhas, entre outras belezas naturais. Um circuito que nasceu da ideia de ciclistas profissionais, que desbravaram a região. “O nosso objetivo é fomentar ainda mais o turismo na região e o cicloturismo tem contribuído para valorizar trilhas e comunidades rurais do norte do Estado”, destacou o deputado Cobra Repórter um dos autores da lei, assim como o deputado Tercílio Turini (CDN) que é grande incentivador do uso da bicicleta. “Faz bem para saúde, ajuda a aliviar o estresse, integra as pessoas, contribui na mobilidade e fortalece o caminho da sustentabilidade".

Circuito Cicloturístico Rota Norte Pioneiro

Nas andanças pelo interior do estado, cicloturistas têm se aventurado nas trilhas para experimentar seu potencial, percorrendo longos trajetos de bike pelos municípios de Andirá; Bandeirantes; Barra do Jacaré; Cambará; Carlópolis; Congonhinhas; Cornélio Procópio; Ibaiti; Itambaracá; Jacarezinho; Joaquim Távora; Nova Fátima; Quatiguá; Ribeirão Claro; Ribeirão do Pinhal; Santa Mariana; Santo Antônio da Platina; Santo Antônio do Paraíso; São Jerônimo da Serra; Siqueira Campos; Tomazina e Wenceslau Braz.    

Circuito Cicloturístico dos Campos Gerais

Conhecida pelas paisagens exuberantes da Escarpa Devoniana, que incluem o icônico Parque Estadual de Vila Velha e o ainda pouco conhecido Parque Nacional dos Campos Gerais, que tem o mítico Buraco do Padre, a região dos Campos Gerais passou a contar com mais um instrumento de fomento à exploração sustentável do turismo local.

Integram o circuito, os municípios de Arapoti, Carambeí, Castro, Curiúva, Imbaú, Ipiranga, Ivaí, Jaguariaíva, Ortigueira, Palmeira, Piraí do Sul, Ponta Grossa, Porto Amazonas, Reserva, São João do Triunfo, Sengés, Telêmaco Borba, Tibagi e Ventania. O cicloturismo é uma atividade que cresce em todo o mundo e atende a um apelo, em meio à crise provocada pela pandemia, de um turismo mais sustentável e que pode ser praticado de forma segura.

Circuito Cicloturismo do Litoral do Paraná ou Circuito Caiçara

Criado em abril de 2019, se caracteriza como mais uma opção de desenvolvimento equilibrado por meio de um turismo que está mais em harmonia com a natureza e que também promove saúde. Integram a rota, os municípios de Antonina, Guaraqueçaba, Guaratuba, Matinhos, Morretes, Paranaguá e Pontal do Paraná.

Circuito Cicloturístico do Sudoeste do Paraná

A região abrangida pelo circuito tem 42 municípios do Sudoeste, entre eles; Francisco Beltrão; Dois Vizinhos; Realeza e Vitorino. A intenção é mapear o traçado das rotas definindo os atrativos e produtos turísticos que podem ser explorados pela região, como monumentos históricos; atrativos naturais; locais para hidratação e alimentação; bicicletarias, paraciclos e bicicletários. Também existe a possibilidade de disponibilizar e oferecer material informativo sobre as rotas para os visitantes.

Circuito Cicloturístico do Alto do Iguaçu

Os 29 municípios da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) foram autorizados por lei aprovada pelo Poder Legislativo a criar uma rota integrada de ciclovias para a mobilidade de seus moradores e divulgação de atrações turísticas, com o objetivo de movimentar a economia e dar uma nova alternativa de desenvolvimento para a RMC.

A ideia foi inspirada no circuito que havia sido criado entre os municípios de Piraquara, Pinhais e Quatro Barras, que possui 42 km de extensão e passa por diversas atrações turísticas, como pontos históricos, gastronômicos e de produção artesanal. O novo traçado foi além do turismo. Ele tem a finalidade também de facilitar a vida de moradores de bairros para se locomoverem, tanto para o trabalho, como nas atividades do dia a dia.

Portal Turístico Ilha do Sol na Região Turística Norte do Paraná

A iniciativa abrange os municípios de Sertaneja e Primeiro de Maio e busca estimular o desenvolvimento sustentável do turismo, já que a região vem ampliando as opções a partir das belezas e riquezas naturais das cidades.  O local vai possibilitar a criação de atrações turísticas e de lazer como caminhadas, trilhas, cavalgadas, cicloturismo, canoagem e atividades rurais. Outro destaque são as opções de esportes aquáticos. É que a região é ponto de encontro dos rios Paranapanema, Tibagi e Congonhas.

Regulamentação

De acordo com a Paraná Turismo, entidade ligada à Secretaria Estadual de Desenvolvimento Sustentável (Sedest), está sendo elaborado um manual básico de implantação dos circuitos para prefeituras, empresas e entusiastas e também modelos de como fazer a sinalização para áreas rurais desses circuitos. A implantação das placas de sinalização e totens de atendimentos aos ciclistas, com bomba de encher pneus, ferramentas para conserto das bicicletas e mapa das rotas será feita pelo programa Pedala Paraná.

Mercado

Em 2020, o mercado de bicicletas viveu um momento pra lá de especial no Brasil. Segundo a Aliança Bike – associação que representa o setor de bicicletas – as vendas aumentaram em média 50% na comparação a 2019. O primeiro semestre de 2021 aponta que as vendas continuam em alta: média de 34,17% de aumento nas vendas das bikes em comparação ao mesmo período de 2020.

Cicloturista prevenido é cicloturista seguro. Então, vamos às dicas:

É indispensável estar com a bicicleta revisada; câmara de ar reserva; material para hidratação; roupa apropriada; uma jaqueta corta vento; lanterna e sinalizadores; protetor solar e repelente; luvas e óculos de sol. Segurança em primeiro lugar com uso do capacete; celular carregado o suficiente com carga que exceda o tempo de percurso; e alimentação. 

Tome seu café da manhã sem pressa, incluindo frutas como banana. Faça aquecimento antes de começar a pedalada; beba água antes de sentir sede (muita água); coma algo leve a cada hora; e descanse sempre que puder.

Agenda

TRAMITAÇÃO DE PROJETOS

LEIS ESTADUAIS

PROJETOS PARA JOVENS

  • Visita Guiada
  • Geração Atitude
  • labels.alep_enem
  • Parlamento Universitário
  • Escola do Legislativo
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná © 2019 | Desenvolvido pela Diretoria de Comunicação