Parlamentares querem mobilizar sociedade contra mudanças impostas pela PEC 32 Audiência pública realizada na Assembleia Legislativa discutiu os impactos da reforma administrativa proposta pelo governo federal.

26/05/2021 12h56 | por Thiago Alonso
Audiência publica debate a reforma administrativa proposta pelo Governo Federal.

Audiência publica debate a reforma administrativa proposta pelo Governo Federal.Créditos: Thais Faccio

Audiência publica debate a reforma administrativa proposta pelo Governo Federal.

Audiência publica debate a reforma administrativa proposta pelo Governo Federal.Créditos: Thais Faccio

Audiência publica debate a reforma administrativa proposta pelo Governo Federal.

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (25) a admissibilidade da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, de autoria do Poder Executivo Federal, que propõe uma reforma administrativa do Estado. Considerada por parlamentares uma proposta que vai trazer prejuízos para o serviço público e para os servidores, deputados estaduais e federais paranaenses, além de representantes de entidades da sociedade civil organizada, debateram a medida em uma audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa do Paraná nesta quarta-feira (26). Os participantes decidiram elaborar uma carta sobre os principais pontos do debate. O documento será enviado a associações de classe e de moradores para mobilizar a sociedade contra as mudanças.

A PEC 32/2020 altera dispositivos sobre servidores e empregados públicos e modifica a organização da administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios. A ideia do Governo Federal é dar início a uma ampla reforma administrativa com efeitos no futuro. Após a aprovação na CCJ, o texto segue para análise de uma Comissão Especial criada exclusivamente para debater o tema. Depois vai ao Plenário. De acordo com a Agência Câmara de Notícias, o relator da Comissão Especial será o deputado Arthur Oliveira Maia (DEM-BA).

“O foco da audiência consiste em debater os retrocessos que a aprovação da PEC 32 significará no conjunto dos serviços públicos tanto na sua quantidade quanto na sua qualidade. Além da desqualificação do servidor público, a reforma implicará necessariamente na redução e precarização dos serviços que tem a população, especialmente a população pobre. A votação na CCJ da Câmara mostrou que é possível derrotar essa proposta obscura”, disse o proponente do debate, Tadeu Veneri (PT).

Max Leno de Almeida, professor e supervisor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), realizou uma contextualização da proposta no âmbito histórico do serviço público. Segundo ele, o tema toca em questões cruciais da Constituição e do serviço público e não meramente em carreira e corporações. “Temos um desafio de esclarecer para população todos os aspectos da proposta e suas consequências. Por trás deste debate, sempre ficam questionamentos sobre qual Estado restará após esta aprovação. Quais serão suas as funções e atribuições? O objetivo maior do Estado é gerar o bem-estar da sociedade. Estamos percebendo que a iniciativa vai a caminho de desmontar o papel social deste, com sua mercantilização”, alertou.

Impactos - Para Ludimar Rafanhim, assessor jurídico de sindicatos de servidores públicos, ao contrário do que parece, a aprovação da PEC 32 terá impactos profundos em estados e municípios. “A reforma atinge, sim, os servidores públicos estaduais e municipais, assim como os usuários desses serviços. A PEC visa coroar o desmonte do Estado brasileiro, com um Estado subsidiário da iniciativa privada”, disse. De acordo com ele, se aprovada, a reforma representa a destruição de todas as conquistas que os trabalhadores tiveram com a Constituição de 1988. “Trabalhadores da educação e saúde não serão tipificados como servidores públicos; não terão mais estabilidade. Estará, por exemplo, sujeito a prefeitos e governadores que não gostam do servidor e poderão ser trocados. Estabilidade é mais que direito do servidor, é direito do cidadão, que sabe que vai ao posto de saúde na semana que vem e vai ser atendido pelo mesmo médico”, exemplificou.

Já Clara Lis, assessora jurídica da Liderança do PT na Câmara Federal, explicou pontos polêmicos do texto e qual o seu processo de tramitação no Congresso Nacional. “Os argumentos do governo não passam de uma grande falácia. Esta PEC não moderniza nada. Voltaremos à estrutura do serviço público para a era pré-Vargas, a época do coronelismo. A proposta vai acarretar jornadas exaustivas e em trabalhos precarizados. O que já ocorreu com os trabalhadores da iniciativa privada, vai acontecer com servidores públicos. É um grande ataque ao Estado como promotor de direitos sociais. Quem mais vai ser afetado é o usuário do serviço público”, afirmou.

De acordo com ela, a próxima fase é a designação da Comissão Especial que vai tratar do mérito, composta de acordo com a proporcionalidade dos blocos partidários. O prazo de tramitação é de 40 sessões plenárias. Neste momento, os parlamentares poderão sugerir emendas. Estas precisam de 171 assinaturas para serem consideradas válidas. Enquanto tramita, serão realizadas audiências públicas para discutir a PEC. Só depois vai para o Plenário, quando deputados ainda podem sugerir mudanças no texto. Após apreciada em dois turnos, segue para o Senado Federal. “O caminho é longo. Precisamos de força para que o debate seja realmente amplo, fazendo pressão nos deputados que poderão modificar o texto”, disse.

Legislativo – O debate contou com a participação de deputados estaduais e federais, além de representantes de centrais sindicais. A deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR) afirmou que a reforma é uma ofensiva do governo federal para a desconstrução do Estado brasileiro. “Este é um ataque ao Estado e a criminalização do serviço público brasileiro. Não consideram o Estado como fundamental para o desenvolvimento do País. Temos de mobilizar a sociedade e os deputados”, frisou.

O também deputado federal Enio Verri (PT-PR) considerou a proposta o “último golpe sobre a Constituição e sobre o conceito de nação”, tornando o Estado um subsidiário da iniciativa privada. “O funcionário público não é mais um agente para diminuir desigualdades. É preciso fazer uma reforma tributária para que os ricos paguem mais impostos, aumentando a arrecadação. Ao se escolher pela PEC, opta-se pela redução do apoio aos mais pobres e a manutenção de privilégios dos mais ricos. Precisamos dos movimentos sociais fazendo pressão contra esse projeto criminoso”, comentou.  

Na opinião do deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) a reforma não vem para melhorar o Estado brasileiro. “Não vem para retirar privilégios, vem para diminuir o Estado, submetendo-o aos interesses privados. Por isso estamos chamando-a de 'deforma administrativa'. Para o ministro Paulo Guedes, o Estado serve para transferir riquezas para a iniciativa privada. Esta PEC vai destruir o Estado brasileiro. Esta é a agenda desse presidente da República, uma agenda de destruição”, disse.

A deputada estadual Luciana Rafagnin (PT) externou sua preocupação com a alteração. “Queremos deixar nossa preocupação que, além de terminar com os direitos dos servidores, o impacto maior será no serviço público que é prestado. Com isso, há o interesse de privatizar todo o serviço público”, disse. O deputado Professor Lemos (PT) concordou. “Este debate mexe com muita coisa. Com esta proposta, a mudança é radical, transformando a Constituição Cidadã em uma Constituição liberal”. A visão é semelhante à do deputado Arilson Chiorato (PT). “Vemos mais um desmonte no Estado brasileiro. O projeto é uma engrenagem de um governo maléfico que quer diminuir o Estado. Mas a votação na CCJ nos deu uma esperança de que é possível acabar com essa mudança”, encerrou. 

Ouça o Podcast relacionado

 

Agenda

TRAMITAÇÃO DE PROJETOS

LEIS ESTADUAIS

PROJETOS PARA JOVENS

  • Visita Guiada
  • Geração Atitude
  • labels.alep_enem
  • Parlamento Universitário
  • Escola do Legislativo
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná © 2019 | Desenvolvido pela Diretoria de Comunicação
abrir página Fechar Voltar
  • Abatiá
  • Agudos do Sul
  • Almirante Tamandaré
  • Altamira do Paraná
  • Alto Paraíso
  • Alto Paraná
  • Alto Piquiri
  • Alvorado do Sul
  • Amaporã
  • Anahy
  • Andirá
  • Antonina
  • Antônio Olinto
  • Arapongas
  • Arapoti
  • Arapuã
  • Araruna
  • Ariranha do Ivaí
  • Assis Chateaubriand
  • Astorga
  • Atalaia
  • Bandeirantes
  • Barbosa Ferraz
  • Barra do Jacaré
  • Barracão
  • Bela Vista da Caroba
  • Bela Vista do Paraíso
  • Bituruna
  • Boa Esperança
  • Boa Esperança do Iguaçu
  • Boa Ventura do São Roque
  • Boa Vista da Aparecida
  • Bom Jesus do Sul
  • Bom Sucesso do Sul
  • Bom Sucesso
  • Borrazópolis
  • Braganey
  • Brasilândia do Sul
  • Cafeara
  • Cafelândia
  • Califórnia
  • Cambará
  • Cambé
  • Cambira
  • Campina da Lagoa
  • Campina do Simão
  • Campo Bonito
  • Campo Largo
  • Campo Magro
  • Campo Mourão
  • Cândido de Abreu
  • Candói
  • Cantagalo
  • Capanema
  • Capitão Leônidas Marques
  • Carambeí
  • Carlópolis
  • Cascavel
  • Centenário do Sul
  • Cerro Azul
  • Céu Azul
  • Chopinzinho
  • Cianorte
  • Cidade Gaúcha
  • Clevelândia
  • Colorado
  • Congoinhas
  • Conselheiro Mairinck
  • Contenda
  • Corbélia
  • Cornélio Procópio
  • Coronel Domingos Soares
  • Coronel Vivida
  • Corumbataí do Sul
  • Cruz Machado
  • Cruzeiro do Iguaçu
  • Cruzeiro do Oeste
  • Cruzeiro do Sul
  • Cruzmaltina
  • Curiúva
  • Diamante D’Oeste
  • Diamante do Norte
  • Diamante do Sul
  • Dois Vizinhos
  • Douradina
  • Doutor Camargo
  • Doutor Ulysses
  • Enéas Marques
  • Engenheiro Beltrão
  • Espigão Alto do Iguaçu
  • Esperança Nova
  • Farol
  • Faxinal
  • Fazenda Rio Grande
  • Fênix
  • Fernandes Pinheiro
  • Flor da Serra do Sul
  • Floraí
  • Florestópolis
  • Flórida
  • Formosa do Oeste
  • Foz do Iguaçu
  • Foz do Jordão
  • Francisco Alves
  • Francisco Beltrão
  • General Carneiro
  • Godoy Moreira
  • Goioerê
  • Goioxim
  • Grandes Rios
  • Guaíra
  • Guairaçá
  • Guamiranga
  • Guapirama
  • Guaporema
  • Guaraci
  • Guaraniaçu
  • Guarapuava
  • Guaraqueçaba
  • Guaratuba
  • Honório Serpa
  • Ibaiti
  • Ibiporã
  • Icaraíma
  • Iguaraçu
  • Imbaú
  • Imbituva
  • Inácio Martins
  • Inajá
  • Indianópolis
  • Ipiranga
  • Iporã
  • Irati
  • Iretama
  • Itaguajé
  • Itaipulândia
  • Itambaracá
  • Itambé
  • Itapejara D’Oeste
  • Itaperuçu
  • Ivaiporã
  • Ivatuba
  • Jaboti
  • Jacarezinho
  • Jaguariaíva
  • Jandaia do Sul
  • Janiópolis
  • Japira
  • Japurá
  • Jardim Alegre
  • Jataizinho
  • Jesuítas
  • Joaquim Távora
  • Jundiaí do Sul
  • Juranda
  • Jussara
  • Kaloré
  • Lapa
  • Laranjal
  • Laranjeiras do Sul
  • Leópolis
  • Lidianópolis
  • Lindoeste
  • Loanda
  • Lobato
  • Londrina
  • Luiziana
  • Lunardelli
  • Lupionópolis
  • Mallet
  • Mamborê
  • Mandaguari
  • Mandirituba
  • Manfrinópolis
  • Mangueirinha
  • Manoel Ribas
  • Maria Helena
  • Marialva
  • Marilândia do Sul
  • Marilena
  • Mariluz
  • Maringá
  • Mariópolis
  • Maripá
  • Marmeleiro
  • Marquinho
  • Matinhos
  • Mauá da Serra
  • Medianeira
  • Mercedes
  • Mirador
  • Miraselva
  • Moreira Sales
  • Morretes
  • Nossa Senhora das Graças
  • Nova Aurora
  • Nova Cantu
  • Nova Esperança
  • Nova Esperança do Sudoeste
  • Nova Laranjeiras
  • Nova Londrina
  • Nova Olímpia
  • Nova Prata do Iguaçu
  • Nova Santa Bárbara
  • Nova Tebas
  • Novo Itacolomi
  • Ortigueira
  • Ortigueira
  • Ouro Verde do Oeste
  • Pinhais
  • Palmas
  • Palmeira
  • Palmital
  • Paraíso do Norte
  • Paranacity
  • Paranapoema
  • Paranavaí
  • Pato Branco
  • Paula Freitas
  • Paulo Frontin
  • Peabiru
  • Pérola D’Oeste
  • Pérola
  • Pinhal de São Bento
  • Pinhalão
  • Pinhão
  • Pirai do Sul
  • Piraquara
  • Pitanga
  • Ponta Grossa
  • Pontal do Paraná
  • Porecatu
  • Porto Barreiro
  • Porto Vitória
  • Prado Ferreira
  • Pranchita
  • Presidente Castelo Branco
  • Primeiro de Maio
  • Prudentópolis
  • Quarto Centenário
  • Quatiguá
  • Quatro Barras
  • Quedas do Iguaçu
  • Querência do Norte
  • Quinta do Sol
  • Quitandinha
  • Ramilândia
  • Rancho Alegre
  • Realeza
  • Rebouças
  • Renascença
  • Reserva do Iguaçu
  • Ribeirão Claro
  • Ribeirão do Pinhal
  • Rio Azul
  • Rio Bonito do Iguaçu
  • Rio Branco do Ivaí
  • Rio Negro
  • Rolândia
  • Roncador
  • Rondon
  • Sabáudia
  • Salgado Filho
  • Salto do Itararé
  • Salto do Lontra
  • Santa Cecília do Pavão
  • Santa Cruz de Monte Castelo
  • Santa Fé
  • Santa Helena
  • Santa Izabel do Oeste
  • Santa Lúcia
  • Santa Maria do Oeste
  • Santa Mariana
  • Santa Mônica
  • Santa Tereza do Oeste
  • Santa Terezinha de Itaipu
  • Santana do Itararé
  • Santo Antonio do Caiuá
  • Santo Antonio do Paraíso
  • Santo Antônio da Platina
  • Santo Inácio
  • São Carlos do Ivaí
  • São Jerônimo da Serra
  • São João do Caiuá
  • São João do Ivaí
  • São João do Triunfo
  • São João
  • São Jorge D’Oeste
  • São Jorge do Patrocínio
  • São José da Boa Vista
  • São José das Palmeiras
  • São Manoel do Paraná
  • São Mateus do Sul
  • São Pedro do Iguaçu
  • São Pedro do Ivaí
  • São Sebastião da Amoreira
  • São Tomé
  • Sapopema
  • Sarandi
  • Saudade do Iguaçu
  • Sengés
  • Sertaneja
  • Serranópolis do Iguaçu
  • Siqueira Campos
  • Sulina
  • Tamarana
  • Tamboara
  • Tapejara
  • Tapira
  • Teixeira Soares
  • Telêmaco Borba
  • Terra Rica
  • Tibagi
  • Tijucas do Sul
  • Toledo
  • Tomazina
  • Três Barras do Paraná
  • Tunas do Paraná
  • Tuneiras do Oeste
  • Tupãssi
  • Turvo
  • Ubiratã
  • Umuarama
  • União da Vitória
  • Uniflor
  • Uraí
  • Ventania
  • Vera Cruz do Oeste
  • Virmond
  • Wenceslau Braz
  • Xambrê
Assembleia decreta calamidade pública em 331 municípios veja no mapa