Classe artística paranaense cobra destinação dos recursos da Lei Aldir Blanc Paraná teve R$ 84,9 milhões liberados ano passado pelo Governo Federal para artistas a empreendimento culturais. Dificuldade ao acesso foi debatida em audiência pública.

22/04/2021 18h08 | por Trajano Budola
Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.Créditos: Reprodução

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.Créditos: Reprodução

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.Créditos: Reprodução

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.Créditos: Reprodução

Audiência pública debateu as formas de simplificar a distribuição dos recursos em apoio ao setor cultural.

As dificuldades de acesso aos recursos liberados pelo Governo Federal para socorrer os trabalhadores da cultura por meio da Lei Aldir Blanc foram debatidas em audiência pública remota promovida pela Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa do Paraná na tarde desta quinta-feira (22). Representantes da categoria criticaram a burocracia no acesso ao auxilio emergencial e reivindicaram a criação de uma bolsa aos artistas.

Na quarta-feira (21) a Câmara Federal aprovou a prorrogação dos efeitos da lei federal com o projeto de lei 795/2021, do senador do Mato Grosso, Wellington Fagundes. Os R$ 3 bilhões destinados aos estados e municípios continuam sendo aplicados para auxílio de artistas e empreendimentos culturais até final do ano.

O Paraná recebeu R$ 84,9 milhões, valor dividido meio a meio entre Estado e administrações municipais, mas a alegação dos participantes da audiência pública é de que apenas 15% do total chegaram aos trabalhadores da cultura. De acordo com o deputado Goura (PDT), “o atraso é visto com muita preocupação e ansiedade por todos os agentes culturais no Paraná”.

“Precisamos de uma explicação e transparência do Governo do Estado sobre o porquê de uma parte tão pequena dos recursos terem sido executados até agora. Isso justifica a necessidade da prorrogação. O auxilio é indispensável, estamos falando de sobrevivência. Precisamos que os recursos cheguem a quem precisa”, frisou o parlamentar.

Os deputados Tadeu Veneri (PT), vice-presidente da Comissão de Cultura; a deputada Luciana Rafagnin (PT); o deputado Soldado Fruet (PROS); e o deputado Michele Caputo (PSDB) também participaram da audiência pública. Todos prestaram homenagens ao ex-deputado Delegado Recalcatti, morto no último dia 9 e que presidiu a Comissão de Cultura a partir do início de 2019.

Segundo a representante da classe artística e solicitante da audiência pública, a advogada Rita de Cássia Lins e Silva, da Frente Movimento, no ano de 2020, o Paraná executou menos de 40% do seu orçamento para a Cultura. “Isso nos ensina que no estado não adianta ter dinheiro consignado. A Constituição Federal autoriza os estados a executarem 1,5% do orçamento para seus fundos de cultura. Se o governo tivesse tomado as providências necessárias como investir recursos estaduais no Fundo Estadual da Cultura, teríamos um sistema estadual de cultura consolidado e funcionando”, criticou.

Para o autor da lei de prorrogação, senador Wellington Fagundes (PL/MT), “a maioria dos municípios não conseguiu acessar estes recursos, por burocracia ou inoperância. Alguns até abriram os editais, mas as casas de show continuam fechadas. Aprovamos a prorrogação dos recursos. Isso traz a possibilidade destes recursos chegarem a quem mais precisa”, explicou.

De acordo com o deputado Federal Tulio Gadelha (PDT/PE), um dos autores do projeto que gerou a Lei Aldir Blanc, no ano passado apenas 35% do total liberado foram executados nos estados e municípios. “Trata-se dos prêmios e concursos, além da manutenção de teatros e casas de artes que dependem destes recursos. O Paraná é um dos piores estados da federação na destinação, não foram dados os devidos encaminhamentos por parte do Governo do Estado”, salientou.

“Dos 399 municípios paranaenses, apenas 249 receberam recursos, destes, 48 nem conseguiram executar parte alguma dos valores. São quase 400 mil pessoas no estado que sobrevivem da cultura”, afirmou o deputado federal. Segundo ele, municípios com mais estrutura, como é o caso de Curitiba, tiveram mais sucesso na destinação dos recursos. “Curitiba conseguiu executar 77,2% do valor. Ou seja, R$ 11,9 milhões”, disse.

Como encaminhamento da audiência pública, os deputados pediram apoio da Superintendência da Cultura do Estado ao projeto de lei 168/2021, em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná, que estabelece as diretrizes para a criação do programa Bolsa Cultura Paraná como forma de fomento social e subvenção, destinado a atender os trabalhadores da cultura. A proposta é assinada por diversos parlamentares e objetiva amenizar a situação de artistas e técnicos sobre os efeitos de desastres naturais (ou provocados) que causem danos graves à comunidade e a vida, calamidades, pandemias e epidemias.

Burocracia - Representantes de comunidades tradicionais, artistas e trabalhadores de técnica manifestaram dificuldades com os critérios de acesso à Lei Aldir Blanc. A alegação deles é de que a lei define que recursos sejam liberados mediante “editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural”, como cita artigo do texto.

Para Silmara Aparecida Xavier, presidente da Comunidade Quilombola Família Xavier, de Arapoti, “foram muitas exigências, como o CNPJ ou conta bancária. Há muitos artistas e artesãos nas comunidades que não conseguiram nada e todos dependem destes recursos neste momento”, explicou.

Para Ivan Kaingang, residente da Terra Indígena Apucaraninha, de Tamarana, questões de burocracia dificultam o acesso. “O canto, a dança e a alimentação tradicional indígena fazem parte de nossa cultura. Para conseguir recursos para projetos culturais ainda nos é cobrado quase 50% em impostos. Somos quase 50 mil indivíduos sem recursos”, lamentou.

De acordo com Lauro Oliveira, representante da Associação dos Profissionais e Técnicos de Festa, cerca de 70% dos profissionais da categoria é formada por freelances. “A Lei Aldir Blanc era uma esperança para nós, mas o recurso não chegou. Editais não fazem parte da rotina dos técnicos e é difícil o acesso aos trabalhadores. Queremos o que nos é de direito”, afirmou.

Manifestaram insatisfação com os critérios de acesso também: o jornalista Helcio Kovaleski, do Conselho Estadual de Cultura; e Verônica Rodrigues, atriz, produtora cultural coordenadora da Frente Ampla SOS Cultura.

Governo do Estado - Representado o Governo do Estado, a superintendente de Cultura, Luciana Casagrande afirmou que a lei Aldir Blanc prevê 80% dos recursos para pagamento de auxilio emergencial e 20% para projetos de fomento. “Estudamos que o Paraná teve uma ampla abrangência do auxilio emergencial federal, o que impossibilitava que as pessoas que a recebiam tivessem acesso à lei Aldir Blanc. Separamos 60% dos recursos para o fomento”, explicou.

Ainda segundo ela, “os artistas participaram em sua maioria nos editais de seus munícipios, o que acarretou o não preenchimento das vagas estaduais nos oito editais abertos”, afirmou. “A lei Aldir Blanc, por mais que seja de um auxilio emergencial, não conseguiu fazer tudo que escreveu”, disse. “No entanto, não esquecemos a questão da bolsa auxílio, tínhamos muita vontade de fazê-la”.

A superintendente afirmou ainda que o Governo do Estado trabalha na criação de uma bolsa qualificação dos trabalhadores da classe no Paraná, em parceria com as universidades estaduais.

Agenda

TRAMITAÇÃO DE PROJETOS

LEIS ESTADUAIS

PROJETOS PARA JOVENS

  • Visita Guiada
  • Geração Atitude
  • labels.alep_enem
  • Parlamento Universitário
  • Escola do Legislativo
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná © 2019 | Desenvolvido pela Diretoria de Comunicação
abrir página Fechar Voltar
  • Abatiá
  • Agudos do Sul
  • Almirante Tamandaré
  • Altamira do Paraná
  • Alto Paraíso
  • Alto Paraná
  • Alto Piquiri
  • Alvorado do Sul
  • Amaporã
  • Anahy
  • Andirá
  • Antonina
  • Antônio Olinto
  • Arapongas
  • Arapoti
  • Arapuã
  • Araruna
  • Ariranha do Ivaí
  • Assis Chateaubriand
  • Astorga
  • Atalaia
  • Bandeirantes
  • Barbosa Ferraz
  • Barra do Jacaré
  • Barracão
  • Bela Vista da Caroba
  • Bela Vista do Paraíso
  • Bituruna
  • Boa Esperança
  • Boa Esperança do Iguaçu
  • Boa Ventura do São Roque
  • Boa Vista da Aparecida
  • Bom Jesus do Sul
  • Bom Sucesso do Sul
  • Bom Sucesso
  • Borrazópolis
  • Braganey
  • Brasilândia do Sul
  • Cafeara
  • Cafelândia
  • Califórnia
  • Cambará
  • Cambé
  • Cambira
  • Campina da Lagoa
  • Campina do Simão
  • Campo Bonito
  • Campo Largo
  • Campo Magro
  • Campo Mourão
  • Cândido de Abreu
  • Candói
  • Cantagalo
  • Capanema
  • Capitão Leônidas Marques
  • Carambeí
  • Carlópolis
  • Cascavel
  • Centenário do Sul
  • Cerro Azul
  • Céu Azul
  • Chopinzinho
  • Cianorte
  • Cidade Gaúcha
  • Clevelândia
  • Colorado
  • Congoinhas
  • Conselheiro Mairinck
  • Contenda
  • Corbélia
  • Cornélio Procópio
  • Coronel Domingos Soares
  • Coronel Vivida
  • Corumbataí do Sul
  • Cruz Machado
  • Cruzeiro do Iguaçu
  • Cruzeiro do Oeste
  • Cruzeiro do Sul
  • Cruzmaltina
  • Curiúva
  • Diamante D’Oeste
  • Diamante do Norte
  • Diamante do Sul
  • Dois Vizinhos
  • Douradina
  • Doutor Camargo
  • Doutor Ulysses
  • Enéas Marques
  • Engenheiro Beltrão
  • Espigão Alto do Iguaçu
  • Esperança Nova
  • Farol
  • Faxinal
  • Fazenda Rio Grande
  • Fênix
  • Fernandes Pinheiro
  • Flor da Serra do Sul
  • Floraí
  • Florestópolis
  • Flórida
  • Formosa do Oeste
  • Foz do Iguaçu
  • Foz do Jordão
  • Francisco Alves
  • Francisco Beltrão
  • General Carneiro
  • Godoy Moreira
  • Goioerê
  • Goioxim
  • Grandes Rios
  • Guaíra
  • Guairaçá
  • Guamiranga
  • Guapirama
  • Guaporema
  • Guaraci
  • Guaraniaçu
  • Guarapuava
  • Guaraqueçaba
  • Guaratuba
  • Honório Serpa
  • Ibaiti
  • Ibiporã
  • Icaraíma
  • Iguaraçu
  • Imbaú
  • Imbituva
  • Inácio Martins
  • Inajá
  • Indianópolis
  • Ipiranga
  • Iporã
  • Irati
  • Iretama
  • Itaguajé
  • Itaipulândia
  • Itambaracá
  • Itambé
  • Itapejara D’Oeste
  • Itaperuçu
  • Ivaiporã
  • Ivatuba
  • Jaboti
  • Jacarezinho
  • Jaguariaíva
  • Jandaia do Sul
  • Janiópolis
  • Japira
  • Japurá
  • Jardim Alegre
  • Jataizinho
  • Jesuítas
  • Joaquim Távora
  • Jundiaí do Sul
  • Juranda
  • Jussara
  • Kaloré
  • Lapa
  • Laranjal
  • Laranjeiras do Sul
  • Leópolis
  • Lidianópolis
  • Lindoeste
  • Loanda
  • Lobato
  • Londrina
  • Luiziana
  • Lunardelli
  • Lupionópolis
  • Mallet
  • Mamborê
  • Mandaguari
  • Mandirituba
  • Manfrinópolis
  • Mangueirinha
  • Manoel Ribas
  • Maria Helena
  • Marialva
  • Marilândia do Sul
  • Marilena
  • Mariluz
  • Maringá
  • Mariópolis
  • Maripá
  • Marmeleiro
  • Marquinho
  • Matinhos
  • Mauá da Serra
  • Medianeira
  • Mercedes
  • Mirador
  • Miraselva
  • Moreira Sales
  • Morretes
  • Nossa Senhora das Graças
  • Nova Aurora
  • Nova Cantu
  • Nova Esperança
  • Nova Esperança do Sudoeste
  • Nova Laranjeiras
  • Nova Londrina
  • Nova Olímpia
  • Nova Prata do Iguaçu
  • Nova Santa Bárbara
  • Nova Tebas
  • Novo Itacolomi
  • Ortigueira
  • Ortigueira
  • Ouro Verde do Oeste
  • Pinhais
  • Palmas
  • Palmeira
  • Palmital
  • Paraíso do Norte
  • Paranacity
  • Paranapoema
  • Paranavaí
  • Pato Branco
  • Paula Freitas
  • Paulo Frontin
  • Peabiru
  • Pérola D’Oeste
  • Pérola
  • Pinhal de São Bento
  • Pinhalão
  • Pinhão
  • Pirai do Sul
  • Piraquara
  • Pitanga
  • Ponta Grossa
  • Pontal do Paraná
  • Porecatu
  • Porto Barreiro
  • Porto Vitória
  • Prado Ferreira
  • Pranchita
  • Presidente Castelo Branco
  • Primeiro de Maio
  • Prudentópolis
  • Quarto Centenário
  • Quatiguá
  • Quatro Barras
  • Quedas do Iguaçu
  • Querência do Norte
  • Quinta do Sol
  • Quitandinha
  • Ramilândia
  • Rancho Alegre
  • Realeza
  • Rebouças
  • Renascença
  • Reserva do Iguaçu
  • Ribeirão Claro
  • Ribeirão do Pinhal
  • Rio Azul
  • Rio Bonito do Iguaçu
  • Rio Branco do Ivaí
  • Rio Negro
  • Rolândia
  • Roncador
  • Rondon
  • Sabáudia
  • Salgado Filho
  • Salto do Itararé
  • Salto do Lontra
  • Santa Cecília do Pavão
  • Santa Cruz de Monte Castelo
  • Santa Fé
  • Santa Helena
  • Santa Izabel do Oeste
  • Santa Lúcia
  • Santa Maria do Oeste
  • Santa Mariana
  • Santa Mônica
  • Santa Tereza do Oeste
  • Santa Terezinha de Itaipu
  • Santana do Itararé
  • Santo Antonio do Caiuá
  • Santo Antonio do Paraíso
  • Santo Antônio da Platina
  • Santo Inácio
  • São Carlos do Ivaí
  • São Jerônimo da Serra
  • São João do Caiuá
  • São João do Ivaí
  • São João do Triunfo
  • São João
  • São Jorge D’Oeste
  • São Jorge do Patrocínio
  • São José da Boa Vista
  • São José das Palmeiras
  • São Manoel do Paraná
  • São Mateus do Sul
  • São Pedro do Iguaçu
  • São Pedro do Ivaí
  • São Sebastião da Amoreira
  • São Tomé
  • Sapopema
  • Sarandi
  • Saudade do Iguaçu
  • Sengés
  • Sertaneja
  • Serranópolis do Iguaçu
  • Siqueira Campos
  • Sulina
  • Tamarana
  • Tamboara
  • Tapejara
  • Tapira
  • Teixeira Soares
  • Telêmaco Borba
  • Terra Rica
  • Tibagi
  • Tijucas do Sul
  • Toledo
  • Tomazina
  • Três Barras do Paraná
  • Tunas do Paraná
  • Tuneiras do Oeste
  • Tupãssi
  • Turvo
  • Ubiratã
  • Umuarama
  • União da Vitória
  • Uniflor
  • Uraí
  • Ventania
  • Vera Cruz do Oeste
  • Virmond
  • Wenceslau Braz
  • Xambrê
Assembleia decreta calamidade pública em 331 municípios veja no mapa