Força-tarefa vai exigir urgência na instalação de energia elétrica em ocupações rurais e urbanas   O grupo de trabalho, liderado pelo deputado Professor Lemos e pela vereadora de Curitiba, Carol Dartora, ambos do PT, enviará encaminhamento junto à Copel. 

01/04/2021 19h06 | por Eduardo Santana
Audiência pública debateu o acesso a energia elétrica nas ocupações rurais e urbanas

Audiência pública debateu o acesso a energia elétrica nas ocupações rurais e urbanasCréditos: Reprodução

Audiência pública debateu o acesso a energia elétrica nas ocupações rurais e urbanas

Uma força-tarefa composta por deputados estaduais, vereadores e lideranças ligadas à moradia popular e à reforma agrária vão encaminhar junto à Companhia Paranaense de Energia Elétrica (COPEL) um pedido de urgência para que ocupações rurais e urbanas tenham acesso à energia elétrica. A ação foi tomada durante a audiência pública para debater a falta de energia elétrica nessas comunidades realizada de maneira remota nesta quinta-feira (1º), na Assembleia Legislativa do Paraná. O encontro foi proposto pelo deputado Professor Lemos, em parceria com a vereadora de Curitiba, Carol Dartora, ambos do PT.  

A audiência reuniu lideranças de movimentos sociais ligados à moradia popular e à reforma agrária, membros do Ministério Público e da Defensoria Pública do Paraná. Durante quase três horas, os participantes debateram as possíveis medidas que podem ser tomadas pela classe política e sociedade civil organizada junto à Companhia Paranaense de Energia Elétrica (Copel) para que essas comunidades possam ter acesso à energia elétrica.  

“Escutamos nesta reunião detalhes que muita gente não observa, mas essas pessoas, que estão no dia a dia, colocam com clareza o que realmente está acontecendo nas comunidades. Todas as contribuições de hoje convergem. Por isso vamos fazer uma força tarefa dos mandatos junto com o MP e DP, mais as entidades. Vamos discutir nesse grupo de trabalho acesso à àgua, além da questão da energia elétrica. E com certeza nesse mês vamos nos reunir para dar continuidade”, disse Lemos.  

“Uma das urgências dessa audiência é ligar a luz nesses espaços o quanto antes, principalmente por causa da pandemia. Creio que nosso primeiro passo é pedir o ligamento de energia nas ocupações rurais e urbanas. Sem energia não tem acesso às aulas para os estudantes e nem pra produção desses assentamentos e ocupações. É como esses lugares não existissem”, complementou a vereadora Carol Dartora.  

Direitos - O deputado Goura (PDT) também participou da audiência pública e ressaltou que passou do momento de o Poder Público atender as demandas dessas comunidades. “É preciso de um olhar mais sensível por parte do poder público, olhar esse que não acontece para o direito de uma moradia e o trabalho digno. É preciso ampliar esse debate em todo o estado. Precisamos de mais secretarias para assegurar moradia digna aos nossos cidadãos”, destacou. “A falta de acesso à energia elétrica a essas comunidades é a ponta do iceberg de uma política econômica que não dá qualidade de vida para as pessoas. Falta tudo para essas pessoas. Até energia elétrica, que é um item básico de sobrevivência”, apontou o deputado federal Ênio Verri (PT), também presente no encontro.  

“É falta de vontade política. Nos anos 70, colocaram água e luz na Vila Pinto, umas das primeiras favelas da cidade de Curitiba. Portanto, se quiser, se faz. Mas é preciso ter uma ação por parte do Poder Público para que se dê uma vida digna para as pessoas nas ocupações e assentamentos”, alertou o membro do Centro de Direitos Humanos e Memória Popular, Hamilton Serighelli, que também já foi assessor especial de Assuntos Fundiários do Estado.

Realidade – Para o integrante da direção estadual do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, Jonas Furiz, a falta de energia elétrica encadeia uma série de prejuízos para os assentados de todo o estado do Paraná. “Depois de um dia inteiro no trabalho no campo, um agricultor não consegue tomar um banho quente, preservar alimentos numa geladeira e nem se planejar economicamente por causa da falta de energia. Um produtor não consegue produzir sem energia, principalmente na produção de leite. E na pandemia, nossas crianças sofrem durante as aulas, pois não conseguimos ligar um tv ou carregar um celular para assistir aula”, relatou.

“As famílias não querem nada de graça. Então é uma coisa boa também pra Copel, que vai arrecadar mais. Esses problemas se estendem pelos 70 acampamentos do movimento em todo o estado. Não é um problema de um ou de outro assentamento”, complementou.  

De acordo com a representante da Ocupação 29 de Março, de Curitiba, qualquer comunidade que vive em ocupações urbanas sofre para ter qualquer tipo de acesso à energia elétrica. “Necessitamos muito dessa energia elétrica. Temos muitas dificuldades para ter essa energia. Pedimos muito junto à Copel sobre isso, mas sempre pedem para entrar em contato com a prefeituras ou com a Cohapar, e ficamos perdidos quando isso ocorre. E assim ficamos sem poder ter uma geladeira, uma máquina de lavar roupas, mas não podemos. E se tivermos, vai queimar porque a energia que conseguimos ter é precária”, explicou 

“Nos criminalizam porque dizem que queremos tudo e não queremos pagar. Mas vamos pagar, sim. Mas como pagar por algo que não existe? É bom que a Copel saiba que eu não preciso estar registrada num cartório de registro de imóvel para ter o direito de acesso à luz”, afirmou Hilma de Lourdes Santos, do Movimento Nacional de Luta Pela Moradia.   

Justiça – Participaram também da audiência membros do Centro de Apoio Operacional de Defesa dos Direitos Humanos do Ministério Público do Paraná. O procurador de Justiça Olympio de Sá Sotto Maior Neto afirmou que o MP tem posição firmada sobre o tema e já tem agido com medidas judiciais para atender as famílias das ocupações rurais e urbanas que demandam energia elétrica.  

“Já notificamos a Copel e Sanepar que o direito à luz e o acesso a água, que compõe os quesitos básicos para a dignidade humana. Estamos à disposição. O fato de a área não estar regularizada não retira estes direitos fundamentais, previstos em na constituição. Nenhuma resolução da Aneel, ou qualquer outro órgão regulador, se sobressai à nossa Carta Magna”, ressaltou.  

“O Ministério Público tem duas áreas que se dedicam às questões das ocupações rurais e urbanos e temos um posicionamento claro no sentido de que água e luz são direito básicos pra dignidade humana. Essa é uma decisão jurídica e não de Poder Público, que está previsto no ordenamento jurídico. A tese de que a concessão de água e luz para áreas de ocupação pode incentivar invasões. Isso sim, não está no ordenamento jurídico brasileiro”, apontou o promotor

Rafael Osvaldo Machado Moura do Ministério Público, também membro do Centro de Apoio Operacional de Defesa dos Direitos Humanos.  

Moradia digna - Olenka Lins e Silva Martins Rocha, coordenadora do Núcleo Itinerante das Questões Fundiárias e Urbanísticas da Defensoria Pública do Estado do Paraná, ressaltou que é função do Poder Público trabalhar por direitos básicos da população. “Hoje o conceito de moradia que se tem é amplo. Não se fala mais no direito social à moradia, se fala no direito social à moradia digna e adequada, e nesse contexto está a energia elétrica. o direito à moradia faz parte do nosso ordenamento jurídico constitucionalmente e também nos tratados internacionais que o Brasil faz parte ou subscreveu", disse. 

A assessora jurídica do Instituto Terra de Direitos, Daisy Ribeiro, também reforçou os conceitos de moradia digna durante a audiência. “Não são só quatro paredes e um teto. Moradia digna é saneamento básico, água, luz, segurança e urbanismo. É necessário um mínimo existencial para garantir dignidade às pessoas. Se o Estado não consegue garantir uma solução para essas pessoas que estão nessas comunidades, é preciso garantir o básico para as pessoas. A falta de um direito impede o acesso a outros direitos. Nós só estamos bem quando todos estamos bem”, destacou 

"Hoje uma concessionária como a Copel, não coloca luz num assentamento porque não tem nenhum interesse econômico nisso. E não é assim que funciona. Energia é um direito do cidadão e, por mais que o cidadão não tenha como retornar financeiramente nunca na sua vida útil o que foi investido para atendê-lo, isso é uma obrigação da concessionária, isso é uma obrigação do governo", concluiu Leandro Grassmann, presidente do Sindicato dos Engenheiros no Estado do Paraná (Senge-PR). 

 

Agenda

TRAMITAÇÃO DE PROJETOS

LEIS ESTADUAIS

PROJETOS PARA JOVENS

  • Visita Guiada
  • Geração Atitude
  • labels.alep_enem
  • Parlamento Universitário
  • Escola do Legislativo
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná © 2019 | Desenvolvido pela Diretoria de Comunicação
abrir página Fechar Voltar
  • Abatiá
  • Agudos do Sul
  • Almirante Tamandaré
  • Altamira do Paraná
  • Alto Paraíso
  • Alto Paraná
  • Alto Piquiri
  • Alvorado do Sul
  • Amaporã
  • Anahy
  • Andirá
  • Antonina
  • Antônio Olinto
  • Arapongas
  • Arapoti
  • Arapuã
  • Araruna
  • Ariranha do Ivaí
  • Assis Chateaubriand
  • Astorga
  • Atalaia
  • Bandeirantes
  • Barbosa Ferraz
  • Barra do Jacaré
  • Barracão
  • Bela Vista da Caroba
  • Bela Vista do Paraíso
  • Bituruna
  • Boa Esperança
  • Boa Esperança do Iguaçu
  • Boa Ventura do São Roque
  • Boa Vista da Aparecida
  • Bom Jesus do Sul
  • Bom Sucesso do Sul
  • Bom Sucesso
  • Borrazópolis
  • Braganey
  • Brasilândia do Sul
  • Cafeara
  • Cafelândia
  • Califórnia
  • Cambará
  • Cambé
  • Cambira
  • Campina da Lagoa
  • Campina do Simão
  • Campo Bonito
  • Campo Largo
  • Campo Magro
  • Campo Mourão
  • Cândido de Abreu
  • Candói
  • Cantagalo
  • Capanema
  • Capitão Leônidas Marques
  • Carambeí
  • Carlópolis
  • Cascavel
  • Centenário do Sul
  • Cerro Azul
  • Céu Azul
  • Chopinzinho
  • Cianorte
  • Cidade Gaúcha
  • Clevelândia
  • Colorado
  • Congoinhas
  • Conselheiro Mairinck
  • Contenda
  • Corbélia
  • Cornélio Procópio
  • Coronel Domingos Soares
  • Coronel Vivida
  • Corumbataí do Sul
  • Cruz Machado
  • Cruzeiro do Iguaçu
  • Cruzeiro do Oeste
  • Cruzeiro do Sul
  • Cruzmaltina
  • Curiúva
  • Diamante D’Oeste
  • Diamante do Norte
  • Diamante do Sul
  • Dois Vizinhos
  • Douradina
  • Doutor Camargo
  • Doutor Ulysses
  • Enéas Marques
  • Engenheiro Beltrão
  • Espigão Alto do Iguaçu
  • Esperança Nova
  • Farol
  • Faxinal
  • Fazenda Rio Grande
  • Fênix
  • Fernandes Pinheiro
  • Flor da Serra do Sul
  • Floraí
  • Florestópolis
  • Flórida
  • Formosa do Oeste
  • Foz do Iguaçu
  • Foz do Jordão
  • Francisco Alves
  • Francisco Beltrão
  • General Carneiro
  • Godoy Moreira
  • Goioerê
  • Goioxim
  • Grandes Rios
  • Guaíra
  • Guairaçá
  • Guamiranga
  • Guapirama
  • Guaporema
  • Guaraci
  • Guaraniaçu
  • Guarapuava
  • Guaraqueçaba
  • Guaratuba
  • Honório Serpa
  • Ibaiti
  • Ibiporã
  • Icaraíma
  • Iguaraçu
  • Imbaú
  • Imbituva
  • Inácio Martins
  • Inajá
  • Indianópolis
  • Ipiranga
  • Iporã
  • Irati
  • Iretama
  • Itaguajé
  • Itaipulândia
  • Itambaracá
  • Itambé
  • Itapejara D’Oeste
  • Itaperuçu
  • Ivaiporã
  • Ivatuba
  • Jaboti
  • Jacarezinho
  • Jaguariaíva
  • Jandaia do Sul
  • Janiópolis
  • Japira
  • Japurá
  • Jardim Alegre
  • Jataizinho
  • Jesuítas
  • Joaquim Távora
  • Jundiaí do Sul
  • Juranda
  • Jussara
  • Kaloré
  • Lapa
  • Laranjal
  • Laranjeiras do Sul
  • Leópolis
  • Lidianópolis
  • Lindoeste
  • Loanda
  • Lobato
  • Londrina
  • Luiziana
  • Lunardelli
  • Lupionópolis
  • Mallet
  • Mamborê
  • Mandaguari
  • Mandirituba
  • Manfrinópolis
  • Mangueirinha
  • Manoel Ribas
  • Maria Helena
  • Marialva
  • Marilândia do Sul
  • Marilena
  • Mariluz
  • Maringá
  • Mariópolis
  • Maripá
  • Marmeleiro
  • Marquinho
  • Matinhos
  • Mauá da Serra
  • Medianeira
  • Mercedes
  • Mirador
  • Miraselva
  • Moreira Sales
  • Morretes
  • Nossa Senhora das Graças
  • Nova Aurora
  • Nova Cantu
  • Nova Esperança
  • Nova Esperança do Sudoeste
  • Nova Laranjeiras
  • Nova Londrina
  • Nova Olímpia
  • Nova Prata do Iguaçu
  • Nova Santa Bárbara
  • Nova Tebas
  • Novo Itacolomi
  • Ortigueira
  • Ortigueira
  • Ouro Verde do Oeste
  • Pinhais
  • Palmas
  • Palmeira
  • Palmital
  • Paraíso do Norte
  • Paranacity
  • Paranapoema
  • Paranavaí
  • Pato Branco
  • Paula Freitas
  • Paulo Frontin
  • Peabiru
  • Pérola D’Oeste
  • Pérola
  • Pinhal de São Bento
  • Pinhalão
  • Pinhão
  • Pirai do Sul
  • Piraquara
  • Pitanga
  • Ponta Grossa
  • Pontal do Paraná
  • Porecatu
  • Porto Barreiro
  • Porto Vitória
  • Prado Ferreira
  • Pranchita
  • Presidente Castelo Branco
  • Primeiro de Maio
  • Prudentópolis
  • Quarto Centenário
  • Quatiguá
  • Quatro Barras
  • Quedas do Iguaçu
  • Querência do Norte
  • Quinta do Sol
  • Quitandinha
  • Ramilândia
  • Rancho Alegre
  • Realeza
  • Rebouças
  • Renascença
  • Reserva do Iguaçu
  • Ribeirão Claro
  • Ribeirão do Pinhal
  • Rio Azul
  • Rio Bonito do Iguaçu
  • Rio Branco do Ivaí
  • Rio Negro
  • Rolândia
  • Roncador
  • Rondon
  • Sabáudia
  • Salgado Filho
  • Salto do Itararé
  • Salto do Lontra
  • Santa Cecília do Pavão
  • Santa Cruz de Monte Castelo
  • Santa Fé
  • Santa Helena
  • Santa Izabel do Oeste
  • Santa Lúcia
  • Santa Maria do Oeste
  • Santa Mariana
  • Santa Mônica
  • Santa Tereza do Oeste
  • Santa Terezinha de Itaipu
  • Santana do Itararé
  • Santo Antonio do Caiuá
  • Santo Antonio do Paraíso
  • Santo Antônio da Platina
  • Santo Inácio
  • São Carlos do Ivaí
  • São Jerônimo da Serra
  • São João do Caiuá
  • São João do Ivaí
  • São João do Triunfo
  • São João
  • São Jorge D’Oeste
  • São Jorge do Patrocínio
  • São José da Boa Vista
  • São José das Palmeiras
  • São Manoel do Paraná
  • São Mateus do Sul
  • São Pedro do Iguaçu
  • São Pedro do Ivaí
  • São Sebastião da Amoreira
  • São Tomé
  • Sapopema
  • Sarandi
  • Saudade do Iguaçu
  • Sengés
  • Sertaneja
  • Serranópolis do Iguaçu
  • Siqueira Campos
  • Sulina
  • Tamarana
  • Tamboara
  • Tapejara
  • Tapira
  • Teixeira Soares
  • Telêmaco Borba
  • Terra Rica
  • Tibagi
  • Tijucas do Sul
  • Toledo
  • Tomazina
  • Três Barras do Paraná
  • Tunas do Paraná
  • Tuneiras do Oeste
  • Tupãssi
  • Turvo
  • Ubiratã
  • Umuarama
  • União da Vitória
  • Uniflor
  • Uraí
  • Ventania
  • Vera Cruz do Oeste
  • Virmond
  • Wenceslau Braz
  • Xambrê
Assembleia decreta calamidade pública em 331 municípios veja no mapa